Se cloroquina não cura covid, por que há “curados” por ela?…

Se cloroquina não cura covid, por que há “curados” por ela?…

jul 12, 2020 0 Por heliodefaria

Na última terça-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que estava com a covid-19. Instantes depois, postou um vídeo tomando cloroquina e dizendo que ela o ajudou a se sentir melhor. O remédio, como se sabe, não tem eficácia comprovada contra o vírus, mas o presidente pode não estar totalmente errado sobre sua sensação de melhora dos sintomas e isso não tem a ver com política, mas com o seu cérebro.

Deixando de lado os defensores e os detratores do remédio, a história mostra que a crença humana sempre esteve acima do conhecimento científico nas sociedades até poucos anos atrás.

A parte boa disso é que ela nos ajudou a evoluir enquanto espécie e nos protegeu em épocas que não se sabia muita coisa sobre remédios e ciência

A má notícia é que, falando em cloroquina ou hidroxicloroquina, ela pode melhorar seu bem-estar pelo “efeito placebo”, mas não vai reduzir sua chance de ir parar no hospital ou te ajudar a curar-se do vírus (e lembre que ainda há muitos os efeitos colaterais possíveis.

Os “doutores, cientistas e pesquisadores” em todo o mundo afirmam que ainda não há efeitos que a cloroquina venha a combater a covid 19, e além do mais existem efeitos colaterais entre os mais comuns, estão dor de cabeça, enjôo, vômitos, diarréia, dor de barriga, coceira, irritação e manchas avermelhadas na pele. Há relatos também de confusão mental, convulsões, queda da pressão sanguínea, alterações no electrocardiograma, visão dupla ou borrada, miopatia, arritmia e sangramento – este último quando combinado com outros fármacos, como anticoagulantes.

Vou dar exemplo de efeitos colaterais em medicamentos “inocentes” a qual pode se adquirir em qualquer farmácia por qualquer pessoa:

Novalgina – Alguns dos efeitos colaterais de Novalgina incluem coceira, ardor, rubor, urticária, inchaço, dispnéia, urticária generalizada, angioedema grave, broncospasmo grave, arritmias cardíacas, queda da pressão sanguínea e choque circulatório.

Dorflex – Alguns dos efeitos colaterais de Dorflex podem incluir​ secura na boca, redução ou aumento do ritmo cardíaco, batimentos irregulares do coração, palpitações, sede, diminuição do suor, dificuldade em urinar, visão embaçada, pupila dilatada, aumento da pressão dentro do olho, fraqueza, enjôo, vômito, dor de cabeça, 

São simples medicamentos encontrados em qualquer farmácia estando a venda sem receitas.

Para os “cientistas, doutores e pesquisadores” um medicamento para ser liberado, tem que passar anos e anos em estudos de laboratório para obter o selo da OMS, mas mesmo assim eles não conseguem isolar os efeitos colaterais.

Mas posso citar medicamentos não aprovados pela OMS, que todas as pessoas talvez sem exceção, usaram e usam ainda hoje que não são reconhecidos pelos “cientistas, doutores e pesquisadores” porque a medicina não acreditam neles.

São as folhas e raízes da vovó, quem nesta vida reclamou com a sua mãe, avó ou até com a sua bizavó de uma dor ou mal estar, quem nunca tomou um chá de boldo para estomago por ter ingerido uma comida pesada ou para um excesso de bebida alcoólica, quem nunca tomou um chá de erva cidreira para combater gases, casos de insônia, ansiedade, depressão e ajuda na redução do estresse, ou ainda um chá de carqueja para  diarréia, gastroenterite, anemia, gripe, febre, doenças do fígado, diabetes, vermes intestinais, enfim, eu poderia citar centenas de ervas e seus poderes de cura, todos eles conhecidos por nós mas não reconhecidos pela medicina.

Voltando a cloroquina, não podemos colocar nossa fé e esperança em torno desse medicamento, mas onde “há fumaça há fogo” portanto, não custa nada tentar.

Helio Defaria