SUCESSÃO EM SALVADOR CAMINHA PARA DEIXAR RUI ISOLADO COM DENICE

SUCESSÃO EM SALVADOR CAMINHA PARA DEIXAR RUI ISOLADO COM DENICE

set 8, 2020 1 Por heliodefaria

Chega-se a semana final para a formatação das alianças dos partidos na sucessão de Salvador com data final para que isso aconteça, dia 16 de setembro, das convenções.  Ainda há, ao menos, duas pendências a considerar, se de fato, a deputada federal Lidice da Mata (PSB) levará sua candidatura adiante ou se apoiará a chapa do PT e/ou a do PCdoB; e de Bacelar, do Podemos, se também manterá sua disposição de disputar, ele que está praticamente sozinho.

Informes dão conta de que Lidice vai se reunir com a Executiva Nacional do seu partido e exigir recursos do Fundo Partidário para seguir adiante. Está escaldada com o que aconteceu, em 2014, quando foi candidata a governadora e teria ficado com pendências financeiras a pagar, em especial ao pessoal do marketing, teve que se virar com os seus na aldeia local para sanar os compromissos, e não deseja entrar numa outra situação assemelhada.                                                    

Uma campanha majoritária em Salvador exige dinheiro, recursos e campanha, mesmo que um (a) candidato (a) diga que vai gastar pouco, que vai usar o discurso como forte, a internet como recurso, ainda assim gasta-se muito.  

Tem os programas de rádio e TV, os comerciais- a serem produzidos, o uso da internet existe a contratação de técnicos especializados na matéria, há o movimento de ruas, das bandeiradas, caminhadas e outros, tudo de acordo com lei eleitoral e isso exige muito dinheiro. 

       

Se conseguir sensibilizar a executiva nacional, o PSB quer lançar candidatas em todas as capitais, segue adiante. Se não, deverá apoiar ou Denice Santiago, PT; ou Olivia Santana, PCdoB.                                                                                                   

A escolha é dificil. Ao PT, há resistência da Executiva Nacional diante da disputa em Recife, entre o filho de Eduardo Campos (PSB), a quem Lidice apoiou para presidente; e a neta de Miguel Arraes, PT.  

Ao PCdoB, Marcelo Nilo, hoje aliado de Lidice e deputado federal, se mostra contra porque este partido o teria traido na sua reeleição à presidência da Assembleia, com o apoio a Angelo Coronel, do PSD, o eleito.  

Ademais, tem Leonelli, voz atuante no PSB, que praticamente foi rifado em participar do governo Rui, e tem defendido não o apoio de Lidice a Denice e sim o inverso, o apoio de Denice (vice) a Lidice (na cabeça da chapa).  

Aí entra outro impasse: seria a desmoralização de Rui, o qual desagradou todos os petistas históricos para bancar a candidatura de Denice, uma neófita em política.

Portanto, muita conversa vai acontecer nas próximas semanas.

 A segunda questão é do deputado Bacelar, do Podemos, que insiste em ser candidato, ele que é o último colocado na pesquisa Paraná, da turma da base ruitas, com 4%. 

O Podemos, a considerar, tem vereadores na CMS. Bacelar pode ser pressionado a ir para a chapa de Denice, não necessariamente ele, mas um nome do partido; ou ficar como está, deixando seus vereadores livres.                                                

Vale notar, que vereador quando vê o circo pegando fogo, deseja reeleger-se e alguns deles já estiveram em eventos DEM de Bruno Reis. E, também, é bom citar, que, em Feira de Santana, o Podemos de Carlos Geilson, candidato a prefeito, tem o apoio do demista Targino Machado.

É uma questão a resolver nos próximos  dias.

No andar dessa carruagem, se o PT não conseguir os apoios do PSB e Podemos, significa dizer que o governador Rui Costa ficará isolado e terá que bancar a candidatura de Denice sozinho.

É, também, importante ressaltar, que o governador é a autoridade maior do estado e está bem avaliado nas pesquisas como administrador e isolar um político desse porte, tem consequências severas. Mas, também é bom situar, foi o próprio Rui que criou essa situação ao impor Denice. 

Bahia Já