Republicanos e tucanos brigam pela vice de ACM Neto. Nilo não é prioridade para o Republicanos.

Republicanos cobra vaga na majoritária

Pelo que se comenta no Republicanos da Bahia, a vaga de vice-governador na chapa do ex-prefeito ACM Neto já estaria certa para o partido. Na sigla, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus, o entendimento é que a vaga do Senado, incialmente negociada com os Republicanos, teve que ser cedida para o vice-governador João Leão, após ele romper com o PT. Com isso, automaticamente, a vice ficaria com os integrantes da sigla. Pelo visto, o partido acredita que só falta agora definir quem ocupará o posto na majoritária, se será o presidente bispo Marcio Marinho ou o deputado federal Marcelo Nilo.

Nilo não é prioridade 

Nos últimos dias, em entrevista ao Portal M! e à rádio Nova Brasil FM, o dirigente do Republicanos reafirmou que não havia o compromisso de que a vaga seria ocupada pelo deputado Marcelo Nilo. Com a desistência de Félix Mendonça Júnior e do prefeito João Gualberto, o caminho parece ter ficado mais livre para que Marinho possa realizar seu sonho de disputar na majoritária. Resta saber agora quando o ex-prefeito ACM Neto anunciará seu companheiro (ou companheira) de chapa. 

Partido abriu mão do Senado para Leão 

E o detalhe é que essa mudança da indicação da vaga do Senado para a vice teria sido negociada pelo próprio Neto com presidente nacional do Republicanos, Marcos Pereira, e o dirigente do partido na Bahia, Márcio Marinho. A definição teria cabido ao próprio Marinho, que acabou cedendo a vaga do Senado para o bonitão João Leão. Agora os Republicanos cobram o cumprimento do acordo pré-estabelecido.

Nilo já diz que é vice 

O mais engraçado dessa historia toda é que Nilo já diz para seus correligionários e amigos que é o vice da chapa de oposição na Bahia. Ele mesmo tem ligado para prefeitos e feito o meio de campo para fortalecer o próprio nome. Quem não está gostando nada são os partidos aliados. “Já era, é Nilo o vice, já foi fechado, só falta anunciar”, diz um apoiador do parlamentar.

Descontentamento da base 

A entrada do presidente estadual do PSDB, Adolfo Viana, no rol de possibilidades para ocupar a vaga de vice do ex-prefeito ACM Neto, trouxe à tona o descontentamento da base pela possível indicação do deputado Marcelo Nilo para o posto. Jovem e bem articulado, Adolfo teve o nome defendido por vários tucanos de toda a Bahia. O entendimento no tucanato é que, com a desistência do prefeito de Mata de São João, João  Gualberto, que não se desincompatibilizou do cargo, o partido não pode perder essa briga para Nilo, já que eles estão há 15 anos ajudando o ex-democrata a “carregar o piano pesado na oposição”. Eles dizem que não seria justo perder a briga para o novo integrante do grupo, já que Nilo não pode chegar agora e querer sentar “no melhor do avião”.

Adolfo pode abrir mão para outro tucano 

Na verdade, o movimento não é personificado em Adolfo Viana. Pessoas próximas ao dirigente do PSDB baiano dizem que ele admite a possibilidade de abrir mão da indicação para outro quadro do partido, caso os critérios para a definição do vice indiquem a necessidade, por exemplo, de Neto ter uma mulher negra na chapa, o que levaria à indicação da vereadora de Salvador, Cris Correia. Adolfo admitiria, inclusive, ceder a vaga para outro parlamentar da sigla, como os deputados Tiago Correia ou Paulo Câmara.  

Tucanos querem ser contemplados

O entendimento é que a vinda do PP, do PDT, do Podemos e de Nilo é que é bom e fortalece a candidatura de ACM Neto ao governo. Mas eles não podem abrir mão de entrar na briga pelo protagonismo na vice. Os tucanos não planejam transformar essa disputa num “cavalo de batalha”, pois esse não é o perfil do partido, mas querem ser contemplados e ouvidos nessa disputa. “E se não gritar o partido não tem o peso e destaque que merece”, como enfatizou um tucano experiente da Bahia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.