Curtas…porém grossas

Neto sentiu a saída de Geraldo

A saída do presidente da Câmara de Salvador, vereador Geraldo Júnior (MDB), da base do ex-prefeito ACM Neto (UB), pegou todo mundo de surpresa e causou um grande estrago na ala oposicionista na Bahia. O distanciamento do emedebista foi revelado pelo próprio ACM Neto, que confidenciou a pessoas próximas o sentimento de perda de um amigo. Apesar de ter se abalado com o rompimento, dizem que Neto já estaria refeito do susto.

Erro político se manter longe de Bolsonaro?

Tem pessoas próximas ao candidato ACM Neto que consideram ser um erro político dele a manutenção do distanciamento do ex-ministro João Roma, seu ex-aliado. “É um erro político estarem rompidos ou sem perspectiva de uma reaproximação”, como completou um integrante da base netista na Bahia. O entendimento do ex-prefeito é que uma aproximação com o presidente Jair Bolsonaro já no primeiro turno retiraria votos e ameaçaria seu favoritismo na disputa.

De olho nos votos dos bolsonaristas

A decisão de se manter distante do inquilino do Palácio do Planalto está incluída na estratégia de Neto não fechar acordo com nenhum candidato à Presidência da República na primeira fase do pleito. O dirigente do União Brasil espera receber os votos de Bolsonaro num eventual segundo turno, sem precisar se reconectar com Roma, já que o eleitor que voltar em Bolsonaro dificilmente votará no PT na próxima fase da disputa. O temor desse mesmo aliado é que num eventual segundo turno Neto perca para a força de Lula, que fará de tudo para empurrar seu ainda desconhecido candidato Jerônimo Rodrigues. A conferir.

Três deputados de olho na Assembleia

Ninguém fala abertamente ainda sobre o assunto, mas a possibilidade de o ex-prefeito ACM Neto se eleger governador na eleição de outubro já abriu o olho  dos deputados sobre quem comandará a Assembléia Legislativa a partir de 2023. Sabemos que primeiro os atuais deputados tem que garantir as próprias reeleições, mas, apesar disso, três nomes despontam como favoritos para essa disputa. Além do atual líder da oposição Sandro Regis (UB), dois nomes correm por fora e podem se viabilizar. São os deputados Tiago Correia (PSDB) e Alan Sanches (UB). Para obter êxito, os parlamentares terão que começar a construir esse processo desde já, nos bastidores, na tentativa de ver os próprios nomes vingarem. 

Sem a menor cerimônia 

Na política, muitas vezes se pisa em areia movediça, e haja equilíbrio para não ser tragado pela lama. Mas tem político que dá sinais de exageros. É o caso do prefeito de Vera Cruz, Marcus Marques (MDB), que nesta terça-feira (5) hipotecou apoio ao pré-candidato Jerônimo Rodrigues (PT), ao governo baiano. Em uma rápida olhada em seu Instagram, nota-se que Marques se equilibra entre os azuis, vermelhos e verdes, sem a menor cerimônia. 

Vela para todos os santos

Um dia tira foto abraçado a ACM Neto (UB), tecendo loas ao ex-prefeito de Salvador, noutro momento o rapapé vai para o ex-ministro da Cidadania, João Roma, e, por último, mas não menos importante, o afago vai para Rui Costa. O prefeito de Vera Cruz é o que podemos chamar de desbloqueado, ou seja, faz jogo triplo sem a menor cerimônia. 

Prefeito da base de Rui recebe Neto e Leão

Marcos Paulo, prefeito do PDT de Piatã, na Chapada Diamantina, assinou ordem de serviço para o início das obras de pavimentação de estrada entre a sede do município ao distrito de Inúbia. Essa atividade marcou a primeira viagem do ex-prefeito de Salvador e pré-candidato ao governo, ACM Neto (UB), junto com o vice-governador João Leão (PP). Eles foram recebidos pelo gestor pedetista, que é da base política de Rui Costa.  A obra tem recursos de emenda do deputado federal Paulo Azi (UB-BA). Será que essa Rui perdeu?

Desconhecido mas com a força da máquina

.Desconhecido do grande público, o candidato do PT ao governo do estado, Jerônimo Rodrigues, tenta a todo custo de apegar na popularidade do ex-presidente Lula na Bahia e na força da máquina administrativa do governo Rui Costa. Os petistas, da cúpula à militância, se enchem de esperança com a possibilidade de ver o ex-titular da pasta da Educação deslanchar e ameaçar os planos do ex-prefeito ACM Neto de romper o ciclo do PT, que já dura 15 anos na Bahia. Se vai conseguir, só Deus, o tempo e o eleitorado dirão. A conferir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.