PP com Neto e MDB com Jerônimo: confira desenho das coligações até o momento

A política baiana viveu uma verdadeira ‘dança das cadeiras’ no mês de março. Enquanto o PP do vice-governador João Leão rompeu com a base petista e anunciou uma chapa com ACM Neto (União Brasil) na disputa pelo governo da Bahia, o MDB fez o caminho inverso e indicou o presidente da Câmara Municipal de Salvador, Geraldo Jr., para o posto de vice de Jerônimo Rodrigues (PT), candidato governista à sucessão estadual.

Com base nos apoios já oficializados, o Política ao Vivo fez um levantamento de como estariam as coligações majoritárias para as eleições de outubro.

ACM Neto

O ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, que vem pavimentando sua candidatura a governador desde janeiro de 2021, quando encerrou o mandato no comando da capital, teve na chegada do PP seu maior trunfo para a formação de uma chapa majoritária competitiva. O partido de João Leão, que será candidato ao Senado na chapa, se junta ao PSDB, Solidariedade, Cidadania, Republicanos, PSC e Podemos para a formação da aliança de oposição. Outras siglas, como o PDT e o PROS, ainda não definiram, pelo menos de forma oficial se apoiarão a candidatura de Neto.

Já a chapa majoritária (governador, vice e senador) caminha para União Brasil (partido de ACM Neto), Republicanos e PP (com João Leão). O segundo partido tem dois nomes na disputa, os deputados federais Márcio Marinho e Marcelo Nilo, mas ainda concorre com o PSDB, que resolveu permanecer pleiteando a vaga aos ’45 do segundo tempo’.

Jerônimo Rodrigues

O ex-secretário de Educação da Bahia foi alçado como candidato do grupo governista após a desistência oficial do senador Jaques Wagner (PT) de concorrer a um terceiro mandato como governador, no mês de março. Apesar do pouco tempo, Jerônimo já consegue reunir um grande arco de alianças, que se fortaleceu com a chegada do MDB ao bloco, na inesperada indicação de Geraldo Jr. para o posto de vice. A vaga ao Senado foi quase unânime, com o já senador Otto Alencar (PSD) tendo sua candidatura à reeleição confirmada de forma oficial na última semana.

Além de MDB e PSD, o candidato do PT ainda contará com o PSB, Avante, Patriota, Partido Verde (PV) e PCdoB. Os dois últimos formarão uma federação partidária com o PT, modelo no qual as siglas terão um estatuto e trabalho único durante um período de quatro anos, no mínimo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.